Governo reconhece que aulas após férias antecipadas podem não voltar

Plataformas de ensino serão aprimorados durante as férias

| CORREIO DO ESTADO / BRUNA AQUINO, RICARDO CAMPOS JR


Antecipação das férias foi confirmada pelo secretário da Segov, Eduardo Riedel - Reprodução/Facebook

Os mais de 200 mil alunos da Rede Estadual de Ensino (REE) de Mato Grosso do Sul vão ficar mais tempo em casa de quarentena. Isso porque o Governo do Estado não decidiu se as aulas vão voltar ainda neste ano, mas como haviam cogitado anteriormente, vão antecipar as férias de julho para maio, com objetivo de aumentar o isolamento social, segundo informou o secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov) Eduardo Riedel durante transmissão ao vivo do boletim epidemiológico do novo coronavírus. 

“Ele (recesso) será do dia 4 de maio até 18 de maio. Quando terminarmos o decreto que expira dia 4 com as aulas não presenciais, os alunos terão recesso. O objetivo principal é para que não tenhamos aglomerações e essas crianças como vetores do Covid-19', disse o titular da Segov. 

Conforme já publicado pelo Correio do Estado, as informações circularam de professores e profissionais pedagógicos da rede que as aulas ficariam suspensas e o método remoto seria aplicado até o fim do ano letivo, mas nem a Secretaria de Educação, nem o governo confirmaram a informação, mas também não deram uma previsão de quando as aulas voltariam de forma presencial. 

Como ainda não se sabe se as aulas vão voltar após o dia 18, o secretário disse que as plataformas de ensino a distância serão ainda mais aprimoradas até para atingir os alunos que ainda não conseguiram ter acesso. “Temos buscado aperfeiçoar nossas plataformas de ensino à distância. Nesse recesso vamos aprimorar ainda mais e vamos aguardar se no dia 18 voltamos com aulas presenciais ou não', explicou. 

Sobre os acessos pela internet, Riedel disse que apenas 7% dos alunos não conseguiram usar a ferramenta para acessar as aulas e materiais. “Estes, o Estado providencia a entrega do material e é nesse sentido que utilizaremos o recesso para aprimorarmos ainda mais essa modalidade de ensino',pontuou.

REDE MUNICIPAL E UNIVERSIDADES
Sobre a Rede Municipal de Ensino nos municípios bem como a rede privada, Riedel disse que a decisão é de cada gestor mas é importante ter cautela. “Cada um toma a sua decisão, mas como orientação do Estado nesse decreto é para que não retornem', orientou. 

Já nas universidades, o secretário disse que essa categoria tem regimes diferenciados. “A UEMS segue o calendário da rede estadual e entra em recesso. A partir do dia 18, ou volta presencial ou continua EAD', disse. 

Quer receber notícias do Site MS NEWS via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (67) 9 9605-4139 e se cadastre gratuitamente!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE